quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Comunicado de Imprensa

Considerando que as actuais medidas de corte na despesa pública estão a ser utilizadas para aumentar a centralização do país em lugar de cortar no tumor centralista onde residem os piores males do país, mormente os fautores do défice público e externo;

Considerando que o pretenso redireccionamento do investimento público, não tem sido mais do que o esbulho do país inteiro a favor dos negócios na região de Lisboa com quem a oligarquia financeiro-política que nos tem governado se encontra já comprometida;

Considerando que, neste caso, tem particular importância o assalto à ligação de alta velocidade Porto-Vigo e a outra ligações ferroviárias a Norte, em favor dos projectos inúteis e ruinosos da ligação Caia-Poceirão, Travessia do Tejo e Novo Aeroporto de Lisboa;

Considerando ainda a cumplicidade de todos os partidos representados na AR, e de todos os deputados eleitos pelo Norte, nesta política do Governo do PS, permitindo que tenha apoios para a centralização por parte do PSD e do CDS e apoios para o investimento em Lisboa do dinheiro destinado ao país por parte do PCP e BE;

Considero imprescindível e mais urgente do que nunca, que os nortenhos, desde as elites até ao povo em geral, em particular a juventude, se constituam em Partido político, para retirar os votos que têm sido dados a quem só tem prejudicado o Norte e os entregar a uma força política que tenha como objectivo primordial defender a região e elevá-la ao lugar que os seus quase 4 milhões de habitantes merece e exige, sendo esse partido o PARTIDO DO NORTE.

Por isso e para que não haja qualquer equívoco público sobre o meu empenho e participação no MPN e na criação do tão necessário PARTIDO do NORTE, declaro ter acabado de enviar para a Federação do Porto o meu cartão de membro do Partido Socialista, afastando-me assim de toda e qualquer actividade desse partido.

Porto, 18 de Novembro de 2010
Pedro Baptista

13 comentários:

Pedro Aroso disse...

Caro Pedro Baptista

Outra decisão não seria de esperar. Tenho muitos amigos socialistas (filiados) que também já não se revêem neste PS, que arrastou o país para uma situação insustentável.
Creio que faz todo o sentido o aparecimento do Partido do Norte, sobretudo para denunciar, e lutar, contra o centralismo que nos vai asfixiando cada vez mais.

Um grande abraço
Pedro Aroso

Paulo MB disse...

Caro Pedro,
Respeitando a tua recente opção, que respeito, aproveito para te desejar sucesso com o novo projecto que anuncias.
Tive muito gosto, e prazer, em ter estado contigo na luta pela libertação da FDP. Não conseguimos, mas foi um passo importante para a viragem que continuo a defender.
Esse dia chegará!
Um abraço,

HOOLIGAN disse...

nesse caso ..estarei atento (interessado).

Anónimo disse...

Ficamos a saber.
Já reuniu o gabinete de crise.
E o boneco?

m.araujo disse...

Perdemos um grande camarada, um lutador activo que sempre se bateu pelos príncios da ética e da liberdade de opinião. Não apoio a drástica decisão mas respeito-a, o mundo é feito de mudança. Sai o Pedro Baptista, ficam muitos que nunca chegaram a entrar...

Susana Almeida disse...

O Pedro Batista tem razão eu tambem vou aderir ao Partido do norte, isto tudo precisa de uma grande volta e já não é o PS que a dá.

Anónimo disse...

Oh Batista já temos saudades das tuas intervençoes

Aires Montenegro disse...

Ora viva, Pedro. Sou o Aires. Um amigo falou-me desse projecto e foi assim que o vim encontrar aqui. Basicamente concordo e mais, estou do teu lado. Avance-se, nem que seja à pistolada (metafórica, claro). Há tanto a fazer por aí fora, e o tempo a escassear... Gostei de te encontrar aqui, nestas condições, após todo o tempo de apenas brevíssimos encontros.
Abraço do Aires Montenegro

Pedro Baptista disse...

Viva Aires Montenegro, Velho Amigo. Este blog ficou parado desde o dia que me afastei do PS, conforme comunicado.
Para seguires as actividades do MPN, te inscreveres e colaborares usa o blog
pelo norte.blogspot.com
e
a partir de hoje a página
www.partidodonorte.org

Abraço

Sérgio Silva disse...

Quando é que este blog volta a funcionar? Faz falta ao país e ao PS.

Anónimo disse...

http://www.sabado.pt/Multimedia/Videos/ … naria.aspx

Anónimo disse...

http://www.sabado.pt/Multimedia/Videos/ … naria.aspx

Anónimo disse...

...O poder de influência da maçonaria não aparece nas juras de segredo e nos livros dos ritos praticados nas lojas, mas é um tema omnipresente na história da GLLP e do GOL. E muitos maçons têm de o assumir quando menos esperam. Foi o que aconteceu com o maçom Abel Pinheiro, que esteve sob escuta judicial no âmbito do processo Portucale e que foi acusado pelo Ministério Público por tráfico de influências.
A 6 de Março de 2005, seis dias antes da tomada de posse do novo governo socialista, Abel Pinheiro ligou ao irmão social-democrata Rui Gomes da Silva, ex-ministro dos Assuntos Parlamentares do governo de Santana Lopes. Na conversa gravada, os dois concordavam que José Sócrates (que tomaria posse a 20 de Março) estava a prejudicar a irmandade do GOL, não nomeando nenhum maçom para lugares de decisão política. O diagnóstico incluía outro ponto: a afronta iria deixar vulnerável o futuro governo. Nessa conversa, Abel Pinheiro chegou a dizer que a maçonaria era o verdadeiro poder no País, anunciando de seguida que acabara de ser iniciado o socialista José Magalhães (actual secretário de Estado da Administração Interna). E referiu-se à sua loja, a Convergência, como “O Gabinete”, nome pelo qual era conhecida durante os governos de António Guterres.
Ali tinham assento “irmãos” como o presidente do Tribunal Constitucional, Luís Nunes de Almeida, António Vitorino, Vitalino Canas, José Nuno Martins ou Henrique Monteiro, actual director do Expresso.


ABEL PINHEIRO CAIU EM DESGRAÇA NO GOL por falar de mais, mas Rui Gomes da Silva continua bem rodeado de irmãos na sua própria loja, a poderosa Universalis. Foi esta a loja do GOL, com cerca de 60 irmãos, que conquistou há cerca de um ano o espião Heitor Romana, um histórico do SIS que fundou informalmente os serviços de informações portugueses em Macau e que chegou a director-adjunto do SIEDM, a secreta externa que o actual SIED substituiu. No ano passado, foi nomeado por Júlio Pereira e tomou posse como director de Recursos Humanos dos dois serviços de espionagem portugueses. Heitor Romana encontrou na Universalis um outro homem das informações, José de Almeida Ribeiro, o adjunto que José Sócrates requisitou ao SIS para o seu gabinete – e que também não respondeu ao contacto por email feito pela SÁBADO.
Na Universalis juntam-se espiões irmanados com políticos, como os sociais-democratas Rui Gomes da Silva e Miguel Relvas, como o director da ASAE, António Nunes, como o gestor e vice-presidente dos CTT, Pedro Santos Coelho, como o socialista ex-secretário de Estado da Saúde José Miguel Boquinhas, como jornalistas como Emídio Rangel e António Borga ou como universitários como José Adelino Maltez e António Costa Pinto.
É no GOL que também estão outros, ainda que discretos, operacionais dos serviços de informações portugueses. C. G. é técnico superior e um histórico do SIS. Está há largos anos no GOL e é visto como muito próximo do anterior candidato a grão-mestre, Filipe Frade, o representante do rito francês na maçonaria irregular. Outro espião é N. C., ex-director regional do SIS Madeira, que transitou para o actual SIED em 2004 e que ali chegou a gerir o todo-poderoso departamento das fontes secretas. Em 2008, já na direcção de Jorge Silva Carvalho, foi colocado como antena na embaixada portuguesa em Madrid.

in Sabado