terça-feira, 30 de setembro de 2008

Câmara poderá ter de devolver 3,8 milhões

E agora Rio, o mais honesto dos homens! Quem vai pagar? A Câmara? Nós? Ou os responsáveis pelo circuito, ou seja Rui Rio? Quem vai pagar o adiantamento que Rui Rio, à frente da Metro, fez a Rui Rio à frente da Câmara, só para fazer as corridas que lhe lembravam a adolescência?
(Público) 30.09.2008
Com o afastamento definitivo da ideia de colocar o metro no eixo da Avenida da Boavista, a Câmara do Porto pode vir a ter que devolver as quantias que em 200i5 recebeu da Metro do Porto como adiantamento das despesas de requalificação que a passagem do metro implicaria naquela artéria.
A intervenção foi executada apenas no troço entre o Castelo do Queijo e o cruzamento da Fonte da Moura, onde se inclui todo o percurso ao longo do Parque da Cidade que serviu para a realização do Grande Prémio da Boavista, o circuito de automóveis antigos que pela primeira vez se realizou em Julho desse ano.
As obras orçaram num total de 4,9 milhões de euros, tendo 3,8 sido suportados pela empresa do metro e os restantes 1,1 milhões pelos cofres camarários. Nos termos do protocolo então celebrado entre a Metro, a Câmara do Porto e a empresa municipal Gestão de Obras Públicas (GOP), ficou estabelecido que a comparticipação da Metro estava "condicionada à aprovação da linha da Boavista pelas entidades competentes", o que acaba assim por não acontecer. Além de o protocolo ter sido aprovado numa altura em que o próprio presidente da Câmara do Porto, Rui Rio, ocupava também a presidência da empresa do metro, os partidos da oposição criticaram ainda o envolvimento da empresa numa obra que foi executada em ano de eleições autárquicas.
Os vereadores do PS chegaram mesmo a pedir a intervenção do Governo, que sempre disse desconhecer este investimento da Metro.
Mais de um ano depois, as conclusões do relatório da inspecção do Tribunal de Contas criticavam a gestão da empresa, questionando as despesas efectuadas com as obras na Avenida da Boavista, precisamente pelo facto de terem sido concretizadas e pagas antes de se saber se uma nova linha passaria por ali.

1 comentário:

Carlos Pinto disse...

O contabilista errou as contas?
Quem tudo quer tudo perde.