terça-feira, 30 de setembro de 2008

Expansão da Rede do Metro já não vai passar pela Avenida da Boavista

Parabéns Mário Lino!
Se estas notícias se confirmarem só há a dizer "Parabéns Mário Lino!". Estamos cá para criticar se for preciso e para apludir se for merecido. As soluções são claramente as melhores: tanto a ligação Senhora da Hora-Hospital de S.João, como Matosinhos-Baixa pela Foz e Campo Alegre (servindo todos os bairros sociais e não o "deserto" da Boavista), como evidentemente a directa Valbom-Fernão de Magalhães já que era um disparate vir de S.Cosme ou de Valbom para o Porto por Fânzeres, Venda-Nova, Rio Tinto, a não ser que fosse por causa de uns terrenitos comprados a tempo lá para os lados do Rio entubado (Tinto)! O problema de Rui Rio com a Boavista não é a Boavista onde, a fazer-se, com rendabilidade mais do que duvidosa, admitir-se-ia que fosse feito enterrado. O problema dele é o abuso dos quase 4 milhões que sacou à Metro para financiar as suas corridas. Que só podem ser pagos pelo Rio da Metro ou pelo Rio da Câmara. Eis a gestão financeira do homem do rigor: barracadas sobre barracadas! E, pelos vistos, nem a concessionária das corridas lhe paga, num processo à moda do Bolhão. Será que também isso vai cair no bolso do contribuinte? Grande vitória dos que, na altura, se bateram contra Rui Rio e defenderam os actuais projectos. O que mostra que vale a pena lutar e que o governo pode governar bem quando tem quem lhes fale e aconselhe no terreno.
Acertar com as linhas foi um bom motivo de adiamentos, não o argumento de falta de verbas. E agora, com o problema resolvido, mãos à obra e financiamentos céleres que o Porto tem muito que recuperar.
(Público) 30.09.2008, Filomena Fontes e José Augusto Moreira

Ligação entre Matosinhos e o centro do Porto vai processar-se, afinal, pelo Campo Alegre. Governo também optou por construir a linha entre Senhora da Hora e o Hospital de S. João
Era a grande aposta de Rui Rio, mas a linha de metro na Avenida da Boavista não será contemplada no projecto de expansão da rede, cujas linhas serão amanhã apresentadas pelo ministro Mário Lino aos autarcas da Junta Metropolitana do Porto (JMP). As novas ligações que avançarão com a segunda fase de construção de rede do metropolitano prevêem uma nova linha entre Matosinhos e o centro do Porto, com passagem pela zona da Foz e Campo Alegre até à estação de São Bento.
Outra nova linha, entre a Senhora da Hora e o Hospital de São João, por São Mamede de Infesta, e uma ligação ao centro de Gondomar, pela zona de Valbom, são outras opções acolhidas pelo Governo.
Para além destas três novas linhas, o projecto de expansão inclui ainda as já projectadas ligações à Trofa, estendendo a ligação até à Maia actual, e o prolongamento da linha de Gaia até Laborim.
Nos últimos dias, Rui Rio vinha-se desmultiplicando em declarações muito críticas para o Governo e a administração da Metro do Porto, que acusava de não cumprir com os compromissos anteriormente assumidos e de manter os autarcas à margem do processo de expansão da rede. Durante a última reunião da Câmara do Porto, Rio disse mesmo ter informações vindas do interior do Ministério das Obras Públicas, segundo as quais o Governo "jamais faria a linha da Boavista antes das eleições legislativas". O autarca chegou até a classificar o comportamento da administração da Metro como "miserável", por não prestar qualquer informação aos autarcas - que integram a administração da empresa como membros não executivos - e a sugerir que esta atitude estava a ser seguida em articulação com o Governo. A questão da linha da Boavista parece ser o ponto sensível nas relações recentes entre o presidente da JMP e o Governo, até porque foram já executadas obras naquela artéria, antevendo a passagem do metro.
Perante o quadro traçado pelo Governo para a segunda fase da rede do metropolitano, a interrogação que se coloca agora é saber como irá reagir o líder da JMP, que vinha argumentando com a sustentabilidade de um estudo feito pela Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. Durante as negociações com o Governo, Rio sempre se mostrou intransigente em relação ao traçado da Avenida da Boavista, cujos estudos estavam já concluídos. O Governo, no entanto, contrapunha com a necessidade da realização de novas avaliações técnicas onde fossem contempladas alternativas ao traçado da Boavista, numa perspectiva integrada para a segunda fase.
Gondomar por Valbom
O traçado que o Governo vai avançar como alternativa à Boavista arranca da praia de Matosinhos, passa pela zona do Castelo do Queijo e atravessa a área da Foz por uma zona interior paralela à Avenida do Brasil. Servirá depois a Universidade Católica/Pr. do Imprério, a zona da Pasteleira, seguindo para o pólo universitário do Campo Alegre. O metro circulará depois pelo Palácio de Cristal e Hospital de Santo António antes do terminus na Estação de São Bento.
Embora não estivesse prevista no memorando assinado em 2007 entre a JMP e o Governo, a solução para a segunda fase avança também com uma linha que ligará Senhora da Hora ao Hospital de São João.
A ideia é servir as populações do corredor que passa por São Mamede de Infesta, aproveitando parte do já existente canal ferroviário de mercadorias que liga Campanhã ao Porto de Leixões.
Quanto à solução para ligar ao centro de Gondomar, a opção vai pela construção de uma nova linha, em vez do prolongamento do troço entre o Estádio do Dragão e Venda Nova, cujo concurso está já na fase final.
A ligação a Gondomar arrancará da zona da Avenida Fernão de Magalhães, passa por Campanhã e Valbom, e entra naquele concelho pela zona sul, como sempre foi reivindicado pelos autarcas e dirigentes do PS.

1 comentário:

Carlos Pinto disse...

Assim é que se fala e se escreve. Quem sabe, nunca esquece.
"Combater o desiderato e declínio" fica para outros.
Nós lutamos por realidades objectivas.
Apoiar quando é de apoiar, criticar quando merecem.
O Metro da Boavista que fique enterrado para sempre e não veja a luz do dia.
O Bolhão já se foi. As corridas levam o mesmo rumo. A Avenida dos Aliados vai ser levantada.
E quem vai pagar estas asneiras?
O contabilista não será de certeza.
E a oposição o que diz?
Publiquei n BLOG vmarapesres a opnião de Pedro Baptista.